Dom Bosco ensinando a rezar

Sua prece não foi atendida? Reclame

com São Bernardo

  RECOMENDO, com toda a minha alma, que cada um de vós reze a Maria Santíssima. Ela é poderosíssima no Céu, e toda graça por Ela pedida ao seu Filhinho Divino logo Lhe é concedida.

Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós!

 Por esta razão vos recomendo tanto quanto sei e posso, desejando que meu conselho seja gravado em vossa mente e em vosso coração, que invoqueis sempre o nome de Maria, sobretudo com esta jaculatória: Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós. É uma oração breve e comprovadamente muito eficaz. Aconselhei-a já a muitas pessoas e todas, ou quase todas, disseram-me que obtiveram bons resultados. E até agora nenhuma veio comunicar-me que não obteve a graça solicitada.

 Todos nós temos misérias, necessitamos de ajuda. Quando, pois, quiserdes obter alguma graça espiritual, tomai o costume de recitar esta jaculatória. Por “graça espiritual” se pode entender que sejamos libertados das tentações, das aflições de espírito, da falta de fervor, da vergonha na Confissão, que torna penosa demais a acusação dos pecados.

 A oração deve ser feita com insistência, com perseverança, com fé, com verdadeiro desejo de que sua solicitação seja atendida.

 Se eu souber que algum de vós rezou bem, mas em vão, minha vontade é de escrever uma carta a São Bernardo de Claraval, comunicando-lhe que ele errou ao redigir sua famosa oração.

 Pois ele afirma: “LEMBRAI-VOS, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tenha recorrido à vossa intercessão, implorado a vossa assistência, reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado…” (Resumido de “Arautos do Evangelho” nº 209, p. 26-28)

São João Bosco (1815-1888) foi um sacerdote católico italiano, fundador da Congregação Salesiana, dedicada à educação de meninos pobres. Foi canonizado em 1934 pelo Papa Pio XI.

Dom Bosco, os Anjos e o ‘Grigio’

Atuação discreta e contínua dos 

Anjos da Guarda pessoais

  COMO todos sabem, São João Bosco passou a vida fazendo o bem. Por esse motivo, lhe rondava a morte, por obra de gente que lhe desejava o mal. Ladrões? Malfeitores? O certo é que não perdiam ocasião para lhe armar emboscadas.

 Com efeito, em suas lides apostólicas em prol dos meninos pobres de Turim, às vezes tinha de caminhar, sozinho, alguns quarteirões, à noite. Sem armas, como se defendia dos ataques? Quem lhe tirava dos apuros?

Grigio
Grigio, segurança de Dom Bosco

 Isso quase ninguém sabe, mas ele tinha um segurança especial, que se apresentava sob a forma de um cão tão feroz quanto misterioso. Era o “Grigio” (cinzento, em italiano), que chegava a colocar para correr toda uma quadrilha de assaltantes!

 Misterioso, porque surgia do nada, nas horas de perigo para D. Bosco, cumpria sua missão e desaparecia. Quando entrava nas casas, acompanhando o Santo, não aceitava nada para comer. Estando numa sala fechada, onde várias pessoas conversavam, sumiu sem ser notado.

 Certa noite, deitou-se na saída da casa e, rosnando, impediu D. Bosco de sair. Soube-se depois que havia um bando de malfeitores à sua espera (Cf. Angelis Ferreira. Grigio, o protetor de Dom Bosco).

 Verdade de Fé – Esse caso ilustra bem a discreta atuação dos Anjos, que embora sendo puros espíritos, têm domínio sobre a matéria. Podem, portanto, atuar sob forma humana, animal ou usando outros recursos, em benefício de seus protegidos.

 Quantas vezes, sem perceber, você pode ter ficado a salvo de algum perigo, físico ou moral, pela ação de seu Anjo da Guarda. Pois seu agir é normalmente discreto, mas constante.

Anjo protetor
Anjo protetor

 Entretanto, a algumas pessoas foi concedida a graça da comunicação com seu Protetor, de variadas maneiras. Por exemplo: para Santa Francisca Romana ele era sempre visível, sob a aparência de um luminoso menino de 9 anos.

 Com efeito, citados frequentemente nas Sagradas Escrituras, a existência dos Anjos é uma verdade de fé. Segundo o Catecismo da Igreja Católica (livro tão importante quanto esquecido), os Anjos têm natureza espiritual e o encargo de servidores e mensageiros de Deus. A ação misteriosa e poderosa deles pervade a vida da Igreja e dos fiéis, que têm cada um seu Anjo protetor (cf nº 328 a 336).

  Reze a seu Anjo – A fim de assegurar para si essa proteção, se ainda não o faz, adquira o costume de recorrer ao seu Anjo da Guarda, pelo menos uma vez ao dia, rezando a tão popular jaculatória (oração breve), composta pelo Papa Pio VI, em 1796:

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador,

já que a ti me confiou a piedade divina,

sempre me rege, guarda, governa e ilumina. Amém.

 Esta é mais uma convicção que devo cultivar no meu dia-a-dia, se desejo a ajuda de um poderoso protetor, que, aliás, está sempre a meu lado, esperando eu pedir. *