O eixo da misericórdia

 

A mecânica na explicação de

princípio teológico

AS FACILIDADES extras que a tecnologia traz à tiracolo são inúmeras. No tempo da infância de meu avô, para se saber com profundidade o significado das palavras e das expressões, era preciso, penosamente, consultar pesados livrões, escrever direitinho cada informação, para se chegar à conclusão desejada. Atualmente, basta pegar o celular, que as informações esguicham. Difícil é escolher. E muitas vezes as pesquisas nos convidam a ir — para o bem ou para o mal — aonde não imaginávamos.

Assim, a expressão eixo. Tem origem no termo latino axis. Todo menino sabe o que é, pois trata-se de uma peça indispensável a seus carrinhos de brinquedo, embora não saiba dizer quais são os incontáveis sinônimos destas duas sílabas… Tendo origem na Mecânica, transita livremente em vários ramos da atividade humana. A Geografia ensina que a própria Terra roda em torno de um eixo imaginário.

Em sentido figurado, eixo é o ponto principal, o centro, a essência de um acontecimento.

Para a História — principalmente nestes tempos de conflitos armados —, a expressão remete à Segunda Guerra Mundial, nos idos de 1939-1945, em que os países Aliados enfrentaram e venceram as potências do Eixo (Alemanha, Itália e Japão).

Uma expressão popular muito usada é ‘entrar nos eixos’, que significa voltar ao normal, seguir a regra.

Ademais, são numerosas outras analogias, utilizadas inclusive pela Filosofia e pela Teologia.

SANTO Alberto Magno (1206-1280) — professor na Sorbonne no tempo de São Tomás de Aquino —, comenta que há no Céu dois polos em torno dos quais todo o Céu gira. Um deles é Nosso Senhor Jesus Cristo, que fica situado no meio-dia, porque está cheio de luz e nele não há trevas, e o outro é Maria, Sua Mãe Santíssima.

O Céu gira em torno destes polos, com o socorro da intercessão da Mãe franqueando-nos os méritos do Redentor na Cruz. Com efeito, por intercessão de Maria e pelo sangue de Seu Filho, Deus estabelece na Terra uma grande novidade: a misericórdia! Essa virtude veio contrapor à prática vigente até então: olho por olho, dente por dente.

E o eixo dessa misericórdia — complementa o Santo teólogo — gira em volta destes dois pivôs ou polos: através da Mãe temos acesso ao Filho, e através do Filho somos apresentados ao Pai. Assim conduzidos, não receamos que nos seja recusado o perdão de nossas faltas.

Estas duas estrelas, estes dois pivôs do mundo são imóveis. Em volta deles, como em volta de dois pontos fixos necessários, gira toda a circunferência do Céu. #

 

Memórias do carvalho

Confessionário e carvalho, duas

‘vidas’ multisseculares 

     Pensando eu em contar o que vi e ouvi na minha longa vida ─ desde que o mundo é mundo ─, encontro um obstáculo inesperado. Veja só.

           A serpente ─ daquela que ludibriou Eva ─ procura desencorajar-me: um pedaço de pau quer ser escritor? o quê você tem para narrar? quem vai ler seus rabiscos?

          Não sou bambu para estar me balançando ao sabor dos ventos, mas achei conveniente partir à procura de reforço para fundamentar o meu propósito.

         Memórias de tudo Até que me lembrei de precedentes que não sei se você sabe. Pois existem memórias para tudo. Exemplos: a Condessa de Segur (1799-1874) escreveu “Memórias de um burro”; da pluma de Eça de Queiroz (1845-1900) temos “Memórias de uma forca” (feita de carvalho, por sinal); e memórias de um cabo de vassoura é o nome de outro livro. Então, não tive mais dúvidas.

     Sendo eu madeira de lei ─ obediente ao machado, à serra e aos seus auxiliares, pois fui criado para servir ─, estou bem colocado em lugares estratégicos, sob a forma de armários, mesas, cadeiras… Então, fica fácil recolher informações interessantes nos mais variados ambientes, para compor as memórias carvalhescas.

         Cabine do perdão Mas, refletindo melhor, resolvi concentrar a atenção em um só móvel, o confessionário, que tem finalidade única e específica: servir de suporte para as pessoas reatarem a amizade com Deus, através da confissão! Não duvido em chamar de cabine do perdão essa peça tradicional e tão emblemática! Só perde para o ambão e o altar.

         Serpente: você vai contar para todo mundo os pecados dos outros? Não tem medo de ser excomungado?

         Nem dei ouvidos a esse animal rastejante que vi introduzir o pecado na humanidade, e que terá a cabeça ferida pela mulher, segundo ameaça que ouvi do próprio Deus (cf Gênesis 3). Sei muito bem onde estou pisando.

         Até na Bíblia Aliás, sou madeira nobre, e meus tonéis são muito apreciados para guardar vinho.

           E creio ser oportuno lembrar que tenho antepassados célebres, inclusive registros em mais de vinte passagens bíblicas. O carvalho de Mambré passou para a História por ter assistido à aparição do Senhor a Abraão (Gênesis 18).

         Frondoso carvalho no Castelo de Vincennes, na França, contou-me que um rei francês gostava de ficar à sua sombra, ouvindo os apelos e pedidos de seus súditos, ricos ou pobres. Fazia isso algumas vezes por semana, e seu nome é São Luís IX, que reinou de 1226 a 1270.

         Provavelmente o marceneiro São José, pai legal de Jesus, trabalhou com a madeira carvalho. E pode ser que alguns de minha família tenham assistido à Paixão de Cristo. Mas, para não ser acusado de fazer afirmações sem provas, disse no condicional. Pequeno pormenor: na Palestina tem muito carvalho.

Maria em cima da azinheira: se as pessoas não se converterem, virão os castigos!

         É da família Agora, serpentezinha faladeira, ouça mais esta: uma das 600 espécies de carvalho se chama azinheira ou terebinto, sobre a qual, em Fátima, a Mãe do Criador escolheu para pousar várias vezes em 1917. Que honra ter ‘parente’ tão privilegiada! As mensagens destes segredos de Fátima tendem a ocupar importância cada vez mais relevante nos acontecimentos, e junto com suas narrativas estará sempre a carvalhesca azinheira, que, evidentemente, ouviu tudo…

         Ah! Estou a desviar do assunto proposto. Desculpe-me.

         Eu, confessionário de carvalho ─ simples cabine com cadeira para o padre e genuflexório para o penitente ─, quantas cenas presenciei, ao longo dos séculos, mundo afora! Não me refiro aos assuntos tratados entre confessor e penitente. Sei bem que não posso abusar da confiança em mim depositada, e sair por aí revelando segredos de confissão. Garanto: não sou madeira fofoqueira…

         Mas, escarafunchando a memória, vem à tona este caso, que é um belo exemplo: no tempo das Cruzadas, um jovem nobre confessa-se e recebe como penitência participar de batalhas na Terra Santa, para onde segue com entusiasmo, e torna-se um comandante aguerrido e vitorioso. #

 

Prece de 7 bilhões

 

Enfrentando o desafio da

pandemia

Deus Pai Onipotente, fostes Vós que fizestes o universo visível e o invisível. Criastes os humanos “à Sua imagem e semelhança” (cf Gn 1, 26-27), destinando-lhes uma morada paradisíaca, com as diversas criaturas convivendo em paz.

Com o pecado de Adão entraram nesse paraíso a revolta, o trabalho, a doença, a morte. Vieram a agressividade das feras, o veneno das serpentes, dos escorpiões ─ inimigos externos relativamente fáceis de se evitar. E chegaram as pragas!…

Agora veio também um batalhão de criaturinhas invisíveis ao olho humano, os vírus, que especialistas e autoridades globais não chegam a um acordo para eliminá-los, mal conseguindo colocar rótulos: novo coronavírus? gripezinha? vírus chinês? covid19?… 

Portanto, sobre cada um dos sete bilhões de habitantes, paira a perspectiva de ficarmos mascarados e/ou confinados, lamentando o cortejo fúnebre de entes queridos, e à espera da nossa vez… Até quando? 

Ó Senhor Deus Uno e Trino — Pai, Filho e Espírito Santo —, pedindo perdão por nossas faltas, Vos suplicamos, confiantes na intercessão da Santíssima Virgem Maria:

Senhor, salvai-nos para não perecermos!

(cf Mateus 8, 25). #