São Sebastião: jovem heroico X velho tirano

20 de janeiro

Um corpo crivado de flechas é a representação

clássica do martírio deste centurião.

Mas, como foi sua morte?

   NASCIDO francês, em Narbona, na segunda metade do século terceiro, Sebastião cresce e é educado cristãmente pelos pais em Milão. Torna-se um jovem forte na fé e piedoso. Isto numa época de tolerância zero em relação à religião de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 Para dar apoio moral aos prisioneiros cristãos, passa a militar nas legiões do imperador Diocleciano, que ignora sua adesão ao Cristianismo. Seu perfil imponente, sua prudência e sua bravura, fazem dele o comandante da Guarda Pretoriana, que cuida da segurança pessoal do imperador. É agora um centurião, ou seja, comanda cem homens.

 Neste importante posto, discretamente consola os cristãos e anima-os com a antevisão da coroa de glória no Céu. Além disso, consegue converter muitos pagãos ao Cristianismo, inclusive o governador de Roma, Cromácio, e seu filho.

 Sebastião é o grande protetor dos que aguardam na fila do martírio. Fila esta na qual ele em breve vai entrar, pois acaba de ser denunciado como cristão.

Imperador Diocleciano
O ódio cego e cruel tem nome: Diocleciano

 O sanguinário Diocleciano, carregado de ódio, tenta mudar as ideias do chefe de sua segurança, mas a fé deste é maior que o ódio daquele.

 Espumando de raiva, o tirano apela para a ignorância: ordena aos soldados que o matem a flechadas! Em campo aberto, ele é amarrado a uma árvore e atingido por uma chuva de flechas. Abandonam-no, julgando-o morto.

 À noite, alguns cristãos vão ao local para providenciar o sepultamento. Surpresos, comprovam que ainda vive. Desamarram-no e tratam de suas feridas. Restabelecido, Sebastião quer continuar sua evangelização, mas antes vai desafiar o tirano, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os seguidores de Cristo, considerados, sem motivo, inimigos do Estado. Pede a ele que interrompa essas cruéis perseguições.

 O imperador não atende ao pedido, e ainda dá ordem que ele seja espancado até morrer, e jogado no esgoto de Roma. Isto para evitar que seus restos mortais sejam venerados pelos cristãos.

 Entretanto, encontrado seu corpo, é colocado nas catacumbas, por iniciativa de Santa Luciana.

São Sebastião
Vitória da Fé heroica do militar cristão

 Isto se deu no ano de 287. Passado algum tempo, por aclamação popular, Sebastião é canonizado e declarado defensor glorioso da Igreja de Cristo, pelo Papa da época, São Caio.

Milagres No ano 680, suas relíquias são trasladadas solenemente para uma basílica edificada pelo Imperador Constantino. Surpresa geral: a peste que castiga Roma, desaparece em instantes!

 Também Milão em 1575 e Lisboa em 1599, ficam livres de pestes, após cerimônias públicas de súplica à intercessão deste santo militar.

 São Sebastião é também muito venerado em todo o Brasil, onde muitas cidades o têm como padroeiro, entre elas, o Rio de Janeiro. #