Abelhas milagrosas de Santa Rita

Origem e fundamento dos milagres:

a fé em Jesus Cristo

  ABELHAS enxameam o rosto de um bebê, não o ferroam e ainda deixam mel em sua boca. É possível isso?

 Não é, mas aconteceu com Margherita. Trabalhando no campo, seus pais a deixam bem acondicionadinha à sombra de uma árvore. Um vizinho com uma mão aleijada vê abelhas brancas esvoaçando sobre o berço improvisado, e apressa-se em espantá-las. Grande é a surpresa quando nota que sua mão tinha sido curada!

 Aproximam-se os pais e notam que as abelhas entram e saem da boquinha da bebê, depositando mel em sua língua. Isto se dá poucos dias depois do seu batizado.

 E este não é o primeiro impossível de Santa Rita de Cássia. O próprio nascimento dela se dá em condições miraculosas, pois seus pais já eram idosos.

 Já que o assunto é abelha, é possível alguém conseguir que um enxame delas, todo ano em data fixa, apareça em determinado lugar? Impossível!

 Não para Santa Rita. Após sua morte, aquelas mesmas abelhas brancas começaram a aparecer todo ano no mosteiro das agostinianas, onde ela viveu seus últimos anos. Chegavam lá na Semana Santa e ficavam até o dia 22 de maio. Depois se retiravam, para retornar no ano seguinte. Até hoje podem ser vistos pelos peregrinos os buraquinhos feitos por elas nos muros do mosteiro.

 E qual a possibilidade de uma parreira totalmente seca voltar a dar uvas?

 Nenhuma. Mas, em obediência à ordem da superiora, aconteceu com a Irmã Rita.

 A fé nos torna fortes como Deus – Ora, são milhares os milagres operados por intermédio desta santa, bem como por outros Santos e Anjos. Qual a razão disso?

 Veja a resposta de Jesus: “Quem crê em mim fará também as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas” (João 14, 12).

 Comenta Mons. João Clá Dias: “A fé é capaz de mover montanhas, pois por detrás dela está o poder de Deus, e quando alguém se une à força divina pela robustez de tão valiosa virtude, torna-se forte quanto é forte o próprio Deus” (O inédito sobre os Evangelhosvol. VI. São Paulo: Inst. Lumen Sapientiae, 2012, p. 395).

 Com tantos e tão poderosos intercessores humanos e angélicos fazendo a comunicação entre o Céu e a Terra, só temos razões para confiar. #