Cosme e Damião: gêmeos, médicos, santos

 

26 de setembro

 

Padroeiros dos cirurgiões, enfermeiros

e farmacêuticos

  NA CIDADE DE EGEIA, na Arábia, por volta do ano 260, nascem dois irmãos gêmeos, de uma ilustre família nobre. O pai é morto por ordem de Diocleciano, o sanguinário imperador romano.

 A mãe, Teodata, católica fervorosa, consegue educá-los de acordo com os ensinamentos de Jesus Cristo.

 Estudam medicina na Síria, tornando-se competentes profissionais que curam as mais variadas doenças. Das pessoas necessitadas não cobram nada.

 Nos casos em que os remédios não conseguem resolver, recorrem ao sobrenatural. Exemplo: os santos médicos cortam a perna gangrenada de um homem, substituindo-a pela de um outro que acaba de falecer. O homem volta a andar, embora com pernas de cores diferentes, pois o morto era negro.

  Calúnias que matam ─ O fanatismo pagão não consegue suportar que os dois irmãos continuem a curar corpos e almas em nome de Jesus. Forjando então acusações falsas de feitiçaria, são presos. Interrogados, declaram: Nós curamos as doenças em nome e pelo poder de Jesus Cristo. Ele é o Filho de Deus que veio ao mundo para salvar nossas almas, curar as nossas fraquezas e os nossos corpos.

 Tomados por um ódio cego, os pagãos querem que reneguem a Fé, e que falem aos enfermos em nome dos deuses por eles fabricados. Divindades estas que têm boca mas não falam, têm pés mas não andam (cf Salmo 113, 12-16).

  Flechas inteligentes Com coragem sobrenatural reafirmam sua fé em Jesus Cristo. Condenados à morte com flechas, estas voltam na direção dos algozes, ferindo-os. Cheio de raiva, o prefeito ordena que sejam queimados vivos, mas o fogo não os atinge. São então decapitados a espada, na cidade síria de Cyro, no século quarto. Junto à sua sepultura acontecem muitos milagres.

 Passados dois séculos, o próprio imperador Justiniano I (527-565) é curado de uma doença perigosa por intercessão de Cosme e Damião. Em sinal de gratidão, promove suntuosa restauração da cidade em sua honra.

 Além disso, manda restaurar a igreja dos mártires em Constantinopla, que se torna um famoso lugar de peregrinação.

 O Papa Félix IV (526-530) edifica uma igreja em sua honra, em Roma.

 Paris vê surgir a primeira associação europeia de cirurgiões, nomeada Confraria de São Cosme, em 1226, extinta ‘fraternalmente’ durante a Revolução de 1789…

 No século XIX, em Portugal, os mártires ainda eram padroeiros de confrarias médicas, como a Irmandade de São Cosme. #