Angeologia: entenda estes espíritos celestes

 

ANGEOLOGIA é o ramo da teologia que estuda os Anjos, a

respeito dos quais muitos têm dificuldade para explicar.

 

Encontro inesperado com os Anjos

numa sala de espera

  ZABELINA e JUVENAL vão se casar. Estão na secretaria paroquial para as tratativas de praxe. A fim de testar seus conhecimentos sobre religião, o pároco faz ao casal algumas perguntinhas, entre as quais esta:

 – Juvenal, o que você me diz sobre os Anjos da Guarda?

 – Eu acho que são criaturas com forma humana, mas com asas, que cuidam da segurança no Céu, para não ter mais revoltas lá, entendeu?

 – Imaginativo, hein?…  Senhorita, dê uma ajudinha a seu noivo…

 – Eh… padre… quer dizer, eu ouvi assim que todas as pessoas têm um protetor chamado Anjo da Guarda, mas eu nunca vi o meu. Acho que ainda estou desprotegida…

 – Não diga isso, filha. A toda criatura humana que nasce, Deus destina um Anjo para protegê-la durante toda a vida. Deus não esquece ninguém!

  Espíritos mensageiros – Estou vendo que preciso dar a vocês um reforço sobre esse assunto. Sentem-se, por favor. Vai ser rápido. Vejam o que diz o Catecismo da Igreja Católica (cf nº 328 a 336):

 As fontes da revelação de Deus à Humanidade – ou seja, a Sagrada Escritura e a Tradição – confirmam a existência dos Anjos, como sendo seres espirituais. Portanto, isso é uma verdade de Fé (cf 328).

   Os Anjos são espíritos mensageiros de Deus (cf Santo Agostinho). São criaturas pessoais e imortais, com inteligência e vontade. A perfeição deles ultrapassa a de todas as criaturas visíveis, o que é confirmado pela sua glória esplendorosa. Eles são poderosos executores das ordens do Altíssimo, sempre atentos à Sua palavra (cf Salmo 103, 20).

   Às ordens de Deus – Estes espíritos celestes pertencem a Cristo, porque foram criados por Ele e para Ele. Palavra de São Paulo: “Em vista d’Ele é que foram criados todos os seres que há nos céus e na terra, os seres visíveis e os invisíveis, os Anjos que são os tronos, dominações, principados e potestades: tudo foi criado por Ele e para Ele” (Cl 1, 16).

 Mais de trezentas vezes eles são citados em toda a Bíblia, onde não faltam notícias sobre a atividade angélica. Embora sendo espíritos, eles têm poder sobre a matéria.

 E estão a serviço do plano divino da salvação: fecharam o paraíso terrestre; detiveram a mão de Abraão; conduziram o povo de Deus pelo deserto; assistiram os profetas. Foi o Anjo Gabriel que anunciou o nascimento do Precursor João Batista e o do próprio Jesus.

 Em toda a vida de Cristo a adoração e o serviço dos Anjos se fazem presentes. Eles protegem a Sua infância, servem-n’O no deserto e confortam-n’O na agonia. São ainda os Anjos que evangelizam, anunciando a Ressurreição de Cristo. E estarão presentes quando da Sua segunda vinda, que anunciam, e ao serviço do seu Juízo.

  Campo de ação angélica – A ajuda poderosa e misteriosa dos Anjos beneficia toda a vida da Igreja, o que é atestado pela liturgia em variadas circunstâncias. Ela inclusive festeja a memória dos três arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael (29 de setembro).

 E no dia 2 de outubro, para a festa do Anjo da Guarda, a Igreja nos propõe este trecho do Êxodo (23, 20-21): “Vou enviar um Anjo adiante de ti para te proteger no caminho e para te conduzir ao lugar que te preparei. Esteja de sobreaviso em sua presença, e ouve o que ele te diz”.

 Portanto, desde o seu começo até à morte, a vida humana é acompanhada pela sua assistência e intercessão. Cada pessoa tem a seu lado um Anjo como protetor e pastor para guiar seus passos nesta terra, rumo ao Céu.

 “A cada homem (ou mulher) em sua peregrinação terrestre é delegado um Anjo para sua guarda” (São Tomás de Aquino. Suma Teológica, I, q. 113, a. 4).

  Mais informações sobre Angeologia? Clique: Estrelas e Anjos e Grigio. E fique atento a novos posts que possam sair sobre o assunto. #