A alma humana é cultivável?

Inclusive dos afazeres agrícolas, o Evangelho

fornece lições para a salvação

AS TONELADAS DE ÁGUA que as nuvens jogam do céu, podem atrair nossas mentes para o campo. Ajuda ou atrapalha a produção? Ao que parece, o ideal é quando há equilíbrio entre sol e chuva. Pois o plantio exige muitas providências preparatórias da terra. Providências essas que não combinam com excessos de chuva ou de estiagem. Mas Aquele que criou a Terra e tudo que ela contém, sabe o que faz.

Bem como sabe que cultivar a terra pode ter relação com a luta pela salvação eterna.

É o que nos ensina o bispo São Cesário de Arles, há mais de 1.500 anos, ao comentar Mateus 13, 18-23:

COM EFEITO, diz ele que o cuidado da nossa alma é semelhante aos preparativos para a semeadura: arranca-se de um lado e extirpa-se de outro até à raiz, para semear o bom grão.

O mesmo devemos fazer com nossa alma: arrancar o que é mau e plantar o que é bom; extirpar o que é prejudicial, transplantar o que é útil; desenraizar o orgulho e plantar a humildade; deitar fora a avareza e guardar a misericórdia; desprezar a imoralidade e amar a castidade.

Efetivamente, vós sabeis como se cultiva a terra. Em primeiro lugar, arrancam-se as silvas e atiram-se as pedras para longe; em seguida lavra-se a própria terra. Repete-se a operação duas ou três vezes, e finalmente semeia-se.

Alimento eterno Que seja assim na nossa alma: arranquemos os maus pensamentos, e em seguida retiremos as pedras, isto é, a malícia e a dureza. Por último, lavremos o nosso coração com o arado do Evangelho e a relha da Cruz. E, quebrado pela penitência, amolecido pela esmola e pela caridade, preparemo-lo para que possa receber com alegria a semente da palavra divina, e não dar apenas trinta, mas sessenta e cem vezes o seu fruto.

E conclui esse Santo do século quinto: Irmãos bem amados, quando vos apresentamos uma coisa útil para a vossa alma, que ninguém tente desculpar-se dizendo: “Não tenho tempo para ler, e é por isso que não posso conhecer os mandamentos de Deus nem observá-los”.

Evitemos as vãs tagarelices e as brincadeiras corrosivas, e veremos se não temos tempo para consagrar ao estudo da Sagrada Escritura. Pois a luz da alma e seu alimento eterno é a Palavra de Deus, sem a qual o coração não pode viver.

Foi seguindo esses tão antigos conselhos — que são de Cristo —  que uma infinidade de mulheres e de homens conseguiram adequadamente cultivar as sementes, pelos séculos afora. Promoveram assim a multiplicação dos frutos de apostolado, com o objetivo de espalhar o Evangelho por toda a Terra, ‘faça chuva ou faça sol’. #

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *