A oração Ave Maria

Milhões de católicos pedem, diariamente, a intercessão

de Maria junto a Deus

 Das orações a Nossa Senhora, a Ave Maria ― também conhecida como Saudação Angélica ― é a mais divulgada em escala mundial. Milhões de católicos a rezam todos os dias. Não poucas pessoas recitam-na até duzentas vezes ao dia, quando têm o belo costume de rezar o rosário.

  Mas, quem sabe quantos séculos demorou a elaboração desta curta prece?

 Ao rezá-la, a gente repete as mesmas saudações que o Anjo Gabriel e Santa Isabel fizeram a Maria, no século I antes de Cristo, conforme Lucas 1, 28b (“Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”) e Lucas 1, 42b (“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre!”).

 Mas só alguns séculos depois, que estas duas saudações saíram da Bíblia para uso na liturgia. E no século XI os mosteiros começaram a usá-las como oração, ainda sem “Jesus”. E se espalhou assim pelo povo, de tal modo que dois séculos depois já era uma oração universal.

 Entretanto, foi preciso esperar mais duzentos anos para alguém se lembrar de acrescentar: “Jesus”! Ainda bem que a inclusão da segunda parte foi mais rápida: no próprio século XV todo mundo já rezava: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte. Amém”.

 Sobre a expressão Mãe de Deus houve muitas querelas, mas o Concílio de Éfeso colocou os pingos nos is, no ano 431.

 E assim chegamos ao texto atual da oração Ave Maria, que conserva a mesma redação publicada no Breviário Romano (Liturgia das Horas) em 1568, por ordem do Papa São Pio V:

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto de vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém. #

Grupo de Estudos e Pesquisas

Leigos que professam a religião católica, apostólica, romana, e se consagram a Nossa Senhora segundo o método de São Luís Grignion. Há bacharéis em teologia, missionários, escritores, professores, estudantes. Alguns colaboram em revistas, boletins e sites, ou exercem voluntariado em entidades beneficentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *