A Igreja que tem Pais e Mestres

Edifício doutrinário católico

baseado na Revelação

  A PRESENÇA de Doutores em sua estrutura, concorre para manter as principais características da Igreja: una, santa, católica, apostólica e romana.

 Mas quem são esses Doutores da Igreja? – São pessoas que, além de serem declaradas santas, sobressaem por sua sabedoria em matéria teológica, sendo distinguidas com esse honroso título mediante a proclamação de um Papa ou de um Concílio. Portanto, são reconhecidas como Mestras da doutrina católica. Suas obras atravessam os séculos, e são faróis para quem queira ser fiel à Revelação.

São Tomás
S. Tomás Aquino

 A lista é encabeçada por Santo Hilário de Poitiers (ano 367), passando pelos oito grandes doutores: Santos Basílio, Gregório Nazianzeno, João Crisóstomo, Atanásio, Ambrósio, Jerônimo, Agostinho e Gregório Magno, sem esquecer o grandíssimo São Tomás de Aquino, príncipe dos teólogos. As damas estão bem representadas por Santa Catarina de Sena, Santa Hildegarda de Bingen e duas Santas Teresas: de Ávila e de Lisieux.

 Sendo a Igreja uma organização viva, novos Mestres e novos Doutores, com explicitações doutrinárias originais, podem ainda enriquecer tão amplo conjunto de ensinamentos.

  As colunas que sustentam o edifício doutrinário católico, entretanto, vão além desses 32 Doutores e 4 Doutoras.

 Há também os chamados Padres (ou Pais) da Igreja, os Apologistas e os Apostólicos, alguns formados e investidos pelos próprios Apóstolos em cargos importantes. São bispos, padres, diáconos ou mesmo leigos que deram eficaz contributo para a redação adequada das verdades da nossa Fé (Trindade, Encarnação, Igreja, Sacramentos etc) nos tempos dos grandes debates com heresiarcas, ou seja, do início do Cristianismo ao século sexto.

C. Niceia
Do Concílio de Niceia surge o credo católico, em 325

 Citemos alguns: Santos Inácio de Antioquia, Irineu de Lion, Atanásio, Cirilo, João Crisóstomo, Ambrosio, Jerônimo e Agostinho. Figurando como um ponto final nessa seleta galeria, temos São João Damasceno, falecido em 749.

 Antiguidade é a principal característica de um Padre da Igreja. É compreensível que quem foi discípulo de um Apóstolo, tem condições de ser mais fiel ao transmitir o legado de Jesus.

 O estudo dos escritos dos Padres da Igreja é denominado Patrística. Já a Patrologia se aplica no aprofundamento das circunstâncias biográficas e históricas desses autores e dos respectivos textos.

 Além disso há um incontável número de pessoas ao longo dos séculos, que a Igreja declara serem santas, propondo-as como modelos de vida isentos de erros doutrinários.

  Revelação – A Sagrada Escritura e a Tradição assim enriquecida, constituem a Revelação, resultando numa bela, sólida e coerente construção doutrinária cujos alicerces estão, há séculos, cravados em rocha firme.

Leão XIII
Papa Leão XIII

 Portanto, segundo o Papa Leão XIII, nenhum artifício dos adversários conseguirá destruir, pois existe a garantia de Nosso Senhor de que as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja (cf Mt 16, 18).

 Como inspira confiança e tranquilidade de espírito o fato de se pertencer a esta Instituição, tão antiga e sempre nova!

 Tanto mais que está entre seus objetivos levar para a felicidade eterna almas e corpos, pois estes se reunirão àquelas por ocasião da ressurreição final.

(Cf Catecismo da Igreja Católica, nº 366 e 991). Outras fontes: Cléofas e Paulus.

Grupo de Estudos e Pesquisas

Leigos que professam a religião católica, apostólica, romana, e se consagram a Nossa Senhora segundo o método de São Luís Grignion. Há bacharéis em teologia, missionários, escritores, professores, estudantes. Alguns colaboram em revistas, boletins e sites, ou exercem voluntariado em entidades beneficentes.

Uma opinião sobre “A Igreja que tem Pais e Mestres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *