Uma só Maria, mil Nossas Senhoras

Os vários nomes

da Virgem Mãe de Deus

O SOBRENOME DELA, a História não registra. Entretanto, a devoção do povo e a sabedoria dos doutores não Lhe economizam títulos. Mais de mil! Eis alguns:

Sendo ainda criança, é Nossa Senhora Menina.

Recebendo o anúncio do Anjo, é Nossa Senhora da Anunciação, de Nazaré, Imaculada Conceição.

No presépio, é Nossa Senhora de Belém, Mãe de Deus.

Do Egito, do Desterro ou do Exílio, por ter fugido com Seu Tesouro ─ junto com o esposo São José ─, das garras assassinas de Herodes.

Naquela festa de casamento na Galileia, o primeiro milagre de Jesus é intermediado por Ela. Daí as alegres invocações: Nossa Senhora de Caná, dos Esposos ou dos Milagres.

Acompanha Seu Filho nas pregações? O povo A chama, com entusiasmo, de Nossa Senhora da Evangelização.

Estando com o Messias nos trágicos episódios desfechados no Calvário, recebe títulos carregados de sentimento: Nossa Senhora das Dores, da Piedade, das Lágrimas, Virgem Dolorosa.

Mas, nos triunfos de Cristo, é Nossa Senhora da Ressurreição, de Pentecostes, da Glória.

Santos, teólogos e Papas a consideram Rainha.

Da Assunção, por ter sido elevada aos Céus em alma e corpo.

Mas, lá na glória celeste, junto à Santíssima Trindade, está sempre intercedendo por seus filhos aqui na Terra, e para isso Se manifesta cá, lá e acolá.

Surgem, assim, incontáveis Nossas Senhoras, cada qual com seu santuário e maravilhosas histórias:

Loreto, Carmo, Perpétuo Socorro, Auxiliadora, Pilar, Bom Conselho, Salette, Guadalupe, Bom Sucesso, Aparecida, Medalha Milagrosa, Lourdes, Fátima…

Maria é o nome feminino mais usado em escala mundial, tanto isoladamente quanto conjugado com outros. #

 

O importante papel da Auxiliadora

Participação no amor que Deus tem

pelas criaturas humanas

  EXCETO ADÃO E EVA que foram criados em idade adulta, todos os seres humanos necessitamos de ajuda durante toda a vida. Ou melhor, inclusive antes e depois da vida. Ajuda para nascer. Ajuda para crescer. Ajuda para bem viver. Ajuda para a despedida final…

Pois é bem diferente o último momento de cada pessoa. Algumas saem alegres e contentes, por estarem antevendo a felicidade eterna. Outras são acompanhadas por incertezas…

Recursos – Entretanto, todos temos condições de ir recorrendo a alguns recursos que nos darão alento, consolação, força e proteção sobretudo na hora que mais precisamos.

Um desses é a devoção Àquela que Cristo, no alto da Cruz, nos deu por Mãe: “Eis aí tua Mãe” (Jo.19, 26-27). Ela protege de modo especial às pessoas que A amam e nEla confiam, proporcionando-lhes alento, felicidade e paz principalmente nas horas de dificuldade.

Maria participa do que São Paulo qualifica de excesso do amor de Deus pelos homens. Se fosse possível reunir as solicitudes e as ternuras de todas as mães por suas filhas e filhos, não se conseguiria igualar ao amor que Maria tem por nós.

Em Nossa Senhora, quem é justo tem a paga de sua fidelidade.

E quem está em pecado? Consegue misericórdia.

E as pessoas aflitas? Encontram alívio e consolação.

# Maria, Auxiliadora dos Cristãos, rogai por nós! #

 

Feliz quem põe em prática a Palavra

 

A vocação do cristão exige o cumprimento íntegro da moral católica 

 

Naquele tempo, enquanto Jesus falava ao povo uma mulher levantou a voz no meio da multidão e Lhe disse:

“Feliz o ventre que Te trouxe e os seios que Te amamentaram”. Jesus respondeu: “Muito mais

felizes são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática” (Lc 11, 27-28).

 

 “Os dois versículos do Evangelho de hoje nos apresentam um convite extraordinário, muito mais importante do que se fôssemos destinados a ser pai ou mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 “À imitação de Nossa Senhora, devemos ouvir e pôr em prática a Palavra de Deus, o que, em nosso caso, significa atender ao apelo universal à santidade feito a todo batizado e sermos inteiramente dóceis àquilo que a Providência inspirou em nossos corações.

 “Somos chamados a constituir as pedras vivas do edifício da Santa Igreja no mundo atual, tão desvairado pelo pecado e pervadido de horrores; somos chamados a abraçar a virtude e a levantar o estandarte da fidelidade à Igreja de Cristo.

  “Se assim procedermos, seremos felizes, tanto quanto cabe a nossa natureza decaída, como o foi a Virgem Maria, guardadas as devidas proporções.

 “A vocação do cristão exige o cumprimento íntegro da moral católica, condensada no Decálogo, e impressa no fundo de nossa alma. Deus está a todo momento nos conclamando para uma entrega, um combate, um progresso, um passo adiante, a fim de realizarmos em nossa existência a profecia do Protoevangelho: “Porei hostilidade entre ti e a Mulher, entre tua linhagem e a linhagem dEla” (GN 3, 15a). Nós somos essa linhagem em constante hostilidade com a linhagem da serpente, ao pormos em prática a Palavra de Deus.

 “Maria Santíssima, a Arca da Nova Aliança, Mãe de Deus e nossa Mãe, neste dia em que Se elevou gloriosamente aos Céus em corpo e alma, antecipou a vitória final prevista na maldição da serpente: “Ela [a Mulher] te esmagará a cabeça” (GN 3, 15b).

  “Vitória triunfal que será completa na ressurreição dos mortos, no fim dos tempos, quando o mal for definitivamente derrotado no Juízo Universal, e o Filho de Deus pronunciar a sentença final: “Vinde benditos de meu Pai, recebei por herança o Reino preparado para vós desde a fundação do mundo” (Mt 25, 34).” [Mons. João Scognamiglio Clá Dias – “Arautos do Evangelho” nº 212, agosto 2019, p. 12-13]. #

 

*     *     *